Até Quando Songtext
von A286

Até Quando Songtext

Vida sofrida, humilhante
O gueto jorra sangue
É revoltante, a lágrima do rosto em desmanche
Na hora que acende ora, grita, implora, chora
Agora ora pede a volta do filho que foi embora
Dor da morte, não há quem suporte o baque é forte
E tem engatilhada na cara e conta com a sorte
Já vi muito truta meu cair, subir
O sonho se destruir, sumir e a morte ri
Voltar pra conferir na pura covardia
Mostra a cara traíra, estiga pra ver se vira
Dinheiro é maldição na vida do sofredor
A inveja gera ostentação, o traidor
Vai pensando que ta mel, vai se criando
Sua hora ta chegando, vou acionar os cano
Não, não deixa queto, o ferro é cemitério
Ser justo é minha glória na vida aqui no inferno
Até quando...


Senhor, guie os nossos passos
Queremos acreditar que pode haver a paz
Mas no entanto, não a vemos por perto...
E desse jeito não veremos jamais!

Recolhe os órgãos da criança vítima do fragmento
Da bomba que pela paz divide corpo no meio
Aqui a esperança não é a última que morre
Na procedência o fuzil liberta a família da fome
Até quando sonhar com a justiça
Morrendo em silêncio.
Não adianta vestir branco com os pensamentos preso
Te querem parte da tropa armada
Matando a sua mãe pela pátria
Após 18 ano humilhado carregando fuzil de farda.
Suicida graduado no táxi bomba objetivo
resumido em pedaço
Pelo domínio do território inimigo
Sangro, explorado verdadeiro dono da terra
Que morre sem liberdade trocando pedra com tanque de guerra
Enquanto o iraquiano perde a cabeça por teu petróleo
Mano aqui é por sonhar com a casa própria, por logos
Não tenta amar o próximo aonde a cultura é violência
Que afeta, que não ressuscita corpo sem cabeça,
Até quando. (Até quando, senhor?)

Senhor, guie os nossos passos
Queremos acreditar que pode haver a paz
Mas no entanto, não a vemos por perto...
E desse jeito não veremos jamais!

Tô vendo a crença da humanidade virar cinzas
9mm na fé intriga, tira a sua vida
Assendo o pavio, guerra civil é o tráfico
São Paulo, Rio, o crime organizado é forjado
PCC, Comando Vermelho é pesado pra lei
Fernandinho Beiramar, a monarquia pra rei
Legislativo, as cinco pra massacrar o pobre
Na blitz tortura, cala a boca ou morre
Fala de paz, prêmio Nobel num país que projeta o homem
Pra guerra aos 18 com fome, a pátria consome
Seu senso psicológico, crítico, intuitivo
Se não for 100% no organismo pra junta é lixo
Fantoche programado pro arregaço
Cresço estornado nos interesses do ricaço
(Qual o real intuito da guerra? Quando atua procura matar, mata, se mata e ensina a matar)
Até quando (Até quando senhor?)

Senhor, guie os nossos passos
Queremos acreditar que pode haver a paz
Mas no entanto, não a vemos por perto...
E desse jeito não veremos jamais!

Armas, guerras, pestes e fome
A intenção do homem é matar mais e mais rápido
A civilização iniciou-se nesse mundo a mais de 40 mil anos
E até hoje o que se vê? Sofredor, sofredora
Guerra, guerra e mais guerra...
Até quando... até quando? (Até quando, senhor!?)

Songtext kommentieren

Schreibe den ersten Kommentar!